#ARMARIONAACADI: Como o exercício físico vai salvar seu Cérebro (e o Corpo também)

Por Mariana Klinke Em 2009, após algumas crises de estresse que viraram crises de ansiedade – que incluíram falta de ar e várias taquicardias – entendi que precisava procurar ajuda. Abri o livro do convênio, olhei a lista e comecei a ligar. Um por um. Mas ninguém me parecia ser a pessoa certa. Até que simpatizei com a voz de uma pessoa, a Patricia. Fui na primeira sessão e a partir daí iniciou-se uma história que já dura 9 anos.



Um dos principais pontos nos quais eu dei muito trabalho para Patricia foi me convencer de que eu deveria praticar exercícios físicos regularmente para tratar a ansiedade. Só aceitei o destino de ir à academia de 3 a 4 vezes por semana depois de uns três anos de terapia. E eis que... Minha vida realmente mudou.


Meu cérebro é muito acelerado. Muito mesmo. As noites de insônia se tornavam cada vez mais comuns porque eu não conseguia desligar minha cabeça. Assim, num primeiro momento, o exercício físico veio para me ajudar a “derrubar” meu cérebro. Depois que meu corpo se acostumou com a atividade física, outros benefícios surgiram. O estresse diminuiu, a ansiedade também. E eu finalmente consegui organizar e aproveitar o volume de ideias que invadia meu cérebro.




Um estudo da Universidade de Leiden, na Holanda, realizou um estudo que comprova que fazer exercícios aeróbicos regularmente estimulam o pensamento criativo. Pessoas que praticam exercícios quatro vezes na semana são mais criativas do que quem leva uma vida sedentária. O exercício físico provoca a liberação do hormônio endorfina, que deixa o corpo e a mente relaxados, prontos para encarar novas ideias.


Os escritores Henry James e Thomas Mann costumavam caminhar antes de começar a escrever. Eu também. Ou então me exercitar na piscina. Por exemplo, foi durante uma aula de natação que eu tive as primeiras ideias para os textos aqui do Armário do Bem. E foi caminhando que eu consegui escrever um roteiro inteiro de um episódio da série de animação Vivi Viravento. Eu estava escrevendo tanto naquela semana que não conseguia sair do lugar com esse roteiro. Como diz minha amiga Daniela: estava com o caninho das ideias entupido.



Na caminhada ao ar livre, ouvindo Katy Perry, me lembrei do clipe de “Dark Horse”. Então me lembrei que a minha amiga (também roteirista do projeto) estava muito brava porque a filha tinha esquecido a chave de casa pela enésima vez e precisou chamar o chaveiro de novo. Mas qual a conexão de uma história com a outra e disso tudo com a Vivi? Bom, nesse episódio, Vivi viajaria para o Egito. O clipe da Katy se passa no Egito. Vivi também sempre aprende alguma lição nos episódios através de outros personagens.